InícioCriptomoedasEthereumEthereum trabalha em uma nova atualização: Pectra

Ethereum trabalha em uma nova atualização: Pectra

A próxima atualização do Ethereum, prevista para 2025, se chamará Pectra. 

Ainda não há uma data precisa, mas os desenvolvedores esperam conseguir lançá-lo na mainnet no primeiro trimestre do próximo ano. 

Ethereum: o que é a nova atualização Pectra?

Pectra é a próxima importante atualização de Ethereum, após a atualização Dencun implementada em março.

O que se sabe, por enquanto, é que deve acolher pelo menos três melhoramentos. 

O primeiro é EIP-7251, ou seja, o aumento do saldo máximo efetivo para o staking.

A proposta quer modificar o limite máximo de ETH que se podem colocar em staking em um nó validador, levando-o a 2.048 ETH. Isso permitiria utilizar um número inferior de validadores, reduzindo potencialmente a complexidade.

Até hoje, 2.048 ETH correspondem a quase 8 milhões de dólares, enquanto o limite atual de 32 ETH corresponde apenas a menos de 125.000$. No entanto, o limite mínimo seria mantido em 32. 

A segunda melhoria que deve ser integrada no Pectra é a incorporação do Ethereum Virtual Machine Object Format (EOF), que na verdade compreende 11 propostas de melhoria para o código EVM, tanto no Layer 1 quanto nos second layer. 

O terceiro é a proposta EIP-7702 de Vitalik Buterin que substituiria a abstração da conta do EIP-3074.

EIP-7702 introduziria um novo tipo de transação que permitirá aos endereços Ethereum de funcionar temporariamente como wallet de smart contract durante uma transação, voltando posteriormente ao seu estado original.

As atualizações de Ethereum 

As atualizações são a forma como evolui o protocolo Ethereum. 

Na verdade, não se trata de um protocolo fixo que permanece sempre igual a si mesmo, mas que ao longo do tempo evolui. 

Em vez de Bitcoin, por exemplo, evolui extremamente lentamente, e quase nunca com mudanças profundas.

Por exemplo, de 2017 até hoje, houve apenas duas atualizações importantes do Bitcoin, enquanto o protocolo Ethereum é atualizado quase todos os anos, e até mesmo em 2022 o algoritmo de consenso foi completamente substituído, passando de Proof-of-Work para Proof-of-Stake. 

Por outro lado, Bitcoin é primariamente um ativo financeiro cuja força é precisamente ser imutável, enquanto Ethereum é mais semelhante a uma rede mundial e descentralizada de computadores que continua a adicionar funcionalidades, mesmo que em média apenas uma vez por ano. 

Ethereum está destinado a evoluir, enquanto Bitcoin está destinado a permanecer imutável, especialmente a nível base. 

A retrocompatibilidade

Em geral, essas atualizações tendem a permanecer retrocompatíveis. 

Em outras palavras, procuram adicionar funcionalidades sem distorcer as anteriores. 

Às vezes, no entanto, como a transição de PoW para PoS, exigem uma mudança tão grande que não resulta em retrocompatibilidade. 

Se o protocolo atualizado é compatível com o anterior, fala-se de soft fork, enquanto se, uma vez atualizado, não será mais plenamente compatível com a versão anterior, fala-se de hard fork. 

Em caso de soft fork quem quiser pode continuar a utilizar o protocolo anterior, só que não poderá utilizar as novas funções.

Em vez disso, no caso de hard fork, há sempre o risco de que alguém decida continuar a usar o protocolo antigo, criando assim dois protocolos distintos, cada um baseado em sua própria blockchain que, a partir do momento da atualização, se torna independente da outra, enquanto mantém em comum a cadeia anterior. 

Em caso de hard fork, como quando houve a transição de PoW para PoS, todos aqueles que desejam utilizar a nova versão atualizada devem atualizar seus softwares. 

Naquela época, por exemplo, nasceu o chamado Ethereum PoW (ETHW), que não é nada mais do que o antigo protocolo Ethereum baseado em PoW e não atualizado com Pos. 

Depois de um primeiro momento de sucesso, em setembro de 2022, quando ETHW manteve um preço de mercado superior a 40$, a partir de setembro despencou para 4$, e desde então nunca mais conseguiu voltar acima dos 6$.

Ethereum: Os prazos de uma atualização da magnitude de Pectra

O motivo pelo qual as atualizações importantes do Ethereum são apenas cerca de uma por ano é que desenvolver em um ambiente descentralizado é bastante complexo. 

Não só todos os códigos são, e devem ser, open source e, portanto, controlados e recontrolados para que não contenham bugs, mas também não é simples colocar de acordo toda a comunidade de desenvolvedores sobre o que fazer. 

De fato, acontece com bastante frequência que alguém não concorde e acabe ou por desenvolver outras atualizações que dão origem a hard fork, ou por manter vivo o protocolo não atualizado. 

No passado, por exemplo, já houve outro caso clamoroso que sempre envolve Ethereum, porque no ano após o seu lançamento, ou seja, em 2016, uma parte considerável da comunidade de desenvolvedores não aceitou uma modificação bastante importante que era necessária para resolver um problema relacionado a um grande roubo, e assim manteve o protocolo não atualizado vivo, chamando-o de Ethereum Classic (ETC). 

Inicialmente ETC manteve um preço de mercado de cerca de um décimo em relação ao ETH, mas já durante a bolha especulativa de 2017 começou a perder terreno em relação ao seu fork (Ethereum é a todos os efeitos um fork de Ethereum Classic). 

O problema se amplificou em 2023/2024, quando nem sequer conseguiu se aproximar do máximo histórico de 167$ de 2021, enquanto ETH chegou a apenas -20% dos máximos históricos. 

RELATED ARTICLES

MOST POPULARS

GoldBrick