InícioSenza categoriaEntrevistasCardano: como a blockchain está se tornando mais segura e rápida

Cardano: como a blockchain está se tornando mais segura e rápida

A Cardano Foundation tem trabalhado em um bloco de construção que introduz capacidades do Protocolo de Comunicação Inter-Blockchain (IBC) para a blockchain Cardano, especificamente projetado para permitir transações e trocas de dados confiáveis entre redes blockchain distintas.

Nos últimos meses, a Composable Finance lançou a primeira implementação IBC conectando Polkadot, e Kusama, e conexões estão em desenvolvimento com Avalanche via Landslide, NEAR via Omnity Network, BNB via Toki, Polygon via Union, e agora, Ethereum e Solana via Picasso Network.

O framework IBC funciona não apenas para melhorar os sistemas existentes, mas também para expandir o que eles podem alcançar. Ele facilita a transferência de dados e ativos entre diferentes blockchains, garantindo que as empresas se beneficiem da segurança e das taxas determinísticas inerentes ao blockchain da Cardano.

Por estas razões, The Cryptonomist decidiu conduzir uma entrevista com Susannah Evans, Product Lead do IBC na Interchain Foundation e Sebastian Bode, VP de Engenharia na Cardano Foundation.

Summary

Você pode explicar como o IBC facilita a interoperabilidade entre diferentes redes blockchain e quais desafios específicos ele aborda no ecossistema blockchain atual?

Susannah: A interoperabilidade é frequentemente vista como uma aplicação através de contratos inteligentes e não diretamente parte dos protocolos principais da blockchain. O IBC foi projetado para permitir a comunicação de diferentes redes blockchain para um desenvolvimento mais contínuo de redes descentralizadas, aproveitando isso como uma função central da blockchain. Para que isso funcione, o protocolo deve ser viável, credível e acessível. Temos visto como outros ecossistemas lutam com a suposição de confiança, aqueles que não integram a interoperabilidade como uma iniciativa primária para o ecossistema blockchain. O IBC é desenvolvido para enfrentar esses problemas centrais – ele foi testado em batalha para permitir tanto a interligação entre cadeias quanto a ponte de tokens, confiando no consenso das cadeias envolvidas sem necessidade de verificação de uma terceira parte.

Sebastian: Do ponto de vista do Cardano, como a integração ou colaboração com IBC melhora as capacidades e a experiência do usuário do Cardano?

Empresas construindo no Cardano agora podem criar suas próprias blockchains específicas para aplicativos. Ao fazer isso, elas ganham mais flexibilidade em termos de privacidade e escalabilidade, enquanto podem contar com a forte segurança e confiabilidade da blockchain Cardano. Para os usuários finais, eles têm acesso a Dapps mais diversificados, ao mesmo tempo que abrem o espaço de DeFi e negociação de ativos entre ambos os ecossistemas, para que a liquidez possa fluir mais facilmente.

Quais são os principais aspectos técnicos do IBC que garantem comunicação segura e eficiente entre cadeias?

Susannah: IBC facilita a transferência segura e sem permissão de dados diversos entre blockchains. O protocolo é projetado para ser agnóstico em relação ao consenso, o que significa que pode operar em diferentes mecanismos de consenso usados por várias blockchains. Essa flexibilidade permite que o IBC facilite a comunicação entre diversas redes de blockchain sem exigir mudanças significativas em seus protocolos principais. Sua abordagem baseada em cliente leve elimina a necessidade de uma terceira parte confiável em interações entre cadeias, protegendo transferências de valor anual significativas sem qualquer exploração desde sua criação. O IBC também emprega um modelo de relayer onde relayers independentes e sem permissão são responsáveis por transferir pacotes de dados entre blockchains, o que significa que os dados não podem ser alterados ou adulterados, pois seu papel é puramente facilitar a comunicação perfeita.

Você poderia fornecer insights sobre os ajustes técnicos ou desenvolvimentos que a Cardano fez para se integrar com o IBC, e quais benefícios isso traz para os desenvolvedores e usuários finais na Cardano?

Sebastian: Cardano não precisou fazer nenhuma modificação na camada principal, pois estamos confiando exclusivamente em nossa plataforma de contratos inteligentes Aiken. Outras ferramentas de desenvolvedor existentes são principalmente do ecossistema das linguagens Go e Typescript, assim como Mithril, um produto desenvolvido pela IOHK para trazer assinaturas baseadas em limiar e com esses primitivos semelhantes a provas de estado para Cardano. Isso traz principalmente outro bloco de construção para desenvolvedores e empresas que constroem no Cardano e lhes dá um espaço de solução mais amplo para os desafios. Também abre a possibilidade de adicionar opções adicionais de compatibilidade EVM ao Cardano via uma sidechain.

Você pode destacar alguns casos de uso ou aplicações bem-sucedidas que aproveitaram o IBC para funcionalidade cross-chain?

Susannah: Este ano, IBC completou 3 anos, tornando-se o protocolo de interoperabilidade mais antigo e mais utilizado, um marco significativo para a nossa equipe e um momento para refletir sobre nosso sucesso nos últimos 3 anos. A recente integração com Cardano expandiu nosso objetivo de promover uma maior interoperabilidade e destacar a importância da interop entre ecossistemas de blockchain. Além das cadeias do Cosmos SDK, IBC integrou-se perfeitamente com os ecossistemas Polkadot, Bitcoin e Solana, expandindo redes em linha com o objetivo de interoperabilidade ideal. Por exemplo, a conexão do IBC com o ecossistema Solana, conhecido por sua abordagem de transações de alta velocidade e baixo custo, facilita a transferência segura de ativos entre múltiplos ecossistemas e permite que desenvolvedores e usuários acessem uma gama de recursos de ambos os ecossistemas. Essas parcerias expandiram o alcance do IBC e demonstraram suas capacidades de diversificar e redefinir capacidades autênticas de cross-chain.

Como a Cardano planeja utilizar essas capacidades de cross-chain para expandir seu ecossistema e apoiar projetos inovadores?

Sebastian: A iniciativa da Cardano Foundation visa principalmente demonstrar a viabilidade da interoperabilidade entre cadeias usando um protocolo amplamente adotado como o IBC. Esta abordagem serve a dois propósitos: primeiro, mitiga os riscos que os membros da comunidade enfrentariam ao explorar a viabilidade de tal abordagem. Segundo, inspira projetos do ecossistema a desenvolver Dapps que possam aproveitar a robusta infraestrutura pública do Cardano enquanto interagem simultaneamente com a rede interchain mais ampla. Esses Dapps também podem se beneficiar da flexibilidade oferecida por sidechains específicas para aplicações.

Quais são os próximos desenvolvimentos ou melhorias planejados para o IBC, e como eles impactarão o cenário mais amplo do blockchain?

Susannah: Há trabalho em andamento para integrações com muitos outros ecossistemas, alguns anunciados publicamente, como a integração do IBC com a Toki finance para conectar BSC, e alguns que ainda não foram anunciados. À medida que mais blockchains consideram o IBC como um mecanismo de consenso confiável para interoperabilidade, mais ecossistemas serão atraídos a expandir conosco. Somos gratos à equipe Cardano por sua contribuição e iniciativa para expandir conosco e nossa comunidade. Mais integrações como essas permitem que nossa rede amadureça à medida que várias arquiteturas de blockchain avançam a oferta do IBC.

Quais são os planos futuros para Cardano em termos de melhorar a interoperabilidade com outras blockchains, e como o IBC se encaixa nessa estratégia?

Sebastian: IBC é apenas um bloco de construção de muitos que estão chegando ao Cardano para melhorar sua interoperabilidade. Existem várias outras atividades em andamento no momento e outras que já foram concluídas. Por exemplo, há um projeto comunitário chamado UniFires que trabalha em estreita colaboração com o ecossistema Polkadot para trazer interoperabilidade entre Cardano e Polkadot. Além disso, o grupo VISTA está trabalhando na criação de um panorama de interoperabilidade completo no Cardano para impulsionar a adoção empresarial para a vanguarda das atividades e pontes existentes como WANChain, EVM Sidechains como Milkomeda, e outros. Até mesmo a IOHK está pressionando fortemente nessa direção com a pesquisa inovadora realizada em torno do consenso de múltiplos recursos e a estrutura de partnerchains.

Como a IBC se envolve com a comunidade blockchain mais ampla para promover e impulsionar a adoção de seu protocolo?

Susannah: IBC está constantemente aspirando a novas conexões e integrações. Formamos várias parcerias estratégicas desde a criação da IBC, com projetos e plataformas de blockchain líderes. Com o conceito de interoperabilidade no coração da IBC, ela foi desenvolvida como um protocolo de código aberto, convidando desenvolvedores de todo o mundo a contribuir para sua melhoria e expansão. A abordagem de código aberto promove um ambiente colaborativo onde ideias e inovações podem ser trocadas livremente, acelerando o desenvolvimento de soluções robustas de interoperabilidade. Ao integrar-se com redes principais, a IBC não só demonstra suas extensas capacidades tecnológicas, mas também aproveita várias bases de usuários de blockchain e comunidades de desenvolvedores de projetos líderes da indústria para impulsionar uma adoção mais ampla do blockchain.

Como a Fundação Cardano está trabalhando com IBC e outras soluções de interoperabilidade para promover um ecossistema de blockchain mais conectado e colaborativo?

Sebastian: Primeiramente, estamos tentando ser o mais transparentes possível, razão pela qual a solução técnica já foi disponibilizada publicamente. Por outro lado, já recebemos um apoio tremendo de organizações como a Interchain Foundation e projetos no ecossistema Cosmos. Finalmente, a comunidade de desenvolvedores e SPOs excepcionalmente talentosa dentro do Cardano está nos apoiando com sua expertise.

A segurança é primordial na comunicação blockchain. Como o IBC garante a integridade e segurança das transações entre diferentes cadeias?

Susannah: Para alcançar a interoperabilidade perfeita, os desenvolvedores e usuários devem ser capazes de aproveitar as forças de diferentes blockchains sem comprometer a segurança ou o desempenho. O modelo de segurança do IBC é baseado em confiar no consenso das cadeias que desejam se comunicar através do uso de light clients. Light clients têm um modelo de segurança de confiança no primeiro uso e usam provas de inclusão e exclusão para verificar se uma transação ocorreu ou não na cadeia contraparte. 

Além dos clientes leves, o protocolo foi formalmente verificado, foi auditado por terceiros e implementa práticas de segurança, como defesa em profundidade dentro da base de código. Essas características comprovam a integridade das transações, reduzindo o risco de vulnerabilidades e garantindo robustas garantias de segurança para outras blockchains. Considerando essas características meticulosamente testadas, o IBC atinge um alto nível de segurança e eficiência na comunicação entre cadeias, abordando muitos dos desafios de segurança enfrentados pelos ecossistemas de blockchain.

Como o modelo de governança da Cardano apoia a integração de soluções de interoperabilidade como IBC, e quais medidas estão em vigor para gerenciar potenciais riscos de segurança?

Sebastian: Em relação à governança, os impactos das mudanças de parâmetros precisam ser avaliados. A abordagem correta aqui é educar os usuários e fornecer ferramentas que ajudem os participantes na governança descentralizada a entender melhor as consequências de seus votos.

Quanto à segurança, estamos atualmente passando por um processo de auditoria em várias etapas. Quando se trata de operar uma ponte para o ecossistema mais amplo do Cosmos, estamos fazendo parceria com entidades que têm ampla experiência em operações de ponte. Esses parceiros são capazes de monitoramento adequado e, em caso de qualquer desastre, implementar estratégias de mitigação ou contramedidas.

RELATED ARTICLES

MOST POPULARS

GoldBrick